Páginas

terça-feira, 28 de março de 2017

Como reembolsar a taxa de cancelamento do Uber

Fala galera!

Hoje vou compartilhar uma pãodurisse que descobri recentemente: como reembolsar a taxa de cancelamento do Uber.

Eu sou um usuário frequente do Uber, defendo a idéia e tudo mais... mas sempre me incomodou o fato de cobrarem a taxa de cancelamento. Na maioria das vezes, eu cancelo pela demora do motorista... ora, se tenho um compromisso marcado (cinema, jantar, etc.), o motorista demora mais de dez minutos pra chegar, algumas vezes aparece parado ou dando voltas no GPS, e ainda não atende o telefone... não tenho motivos pra esperar, não é mesmo? Nessas situações, não acho justo ter que pagar R$ 6,00 como taxa de cancelamento (dependendo do destino, a corrida seria pouco mais do que esse valor)... e portanto fui verificar como conseguir reembolso.

Recentemente, fiz um cancelamento, e recebi este e-mail.

Exemplo de e-mail que vc vai receber quando cancelar.

Obviamente, por segurança, omiti os campos de localização e identidade. Uma vez que recebi o e-mail, vamos aos passos do reembolso.

PASSO 1
Entrar no Uber Help (clique aqui), e efetue seu login (é a mesma senha do app no celular).
Clique em suas viagens, identifique a viagem cancelada e que gerou taxa.

PASSO 2
Dentro da viagem, clique em "fui cobrado por um cancelamento", conforme abaixo.


PASSO 3
Vai aparecer um novo menu, que mostra a sua justificativa para o reembolso, conforme abaixo. Eu selecionei "o tempo estimado de chegada era muito longo", o que foi verdade, e imediatamente fui reembolsado em créditos para a próxima viagem.



PASSO 4
Basta conferir o crédito disponível no app, na aba "pagamento", que será usado na próxima viagem.

Eu não testei as demais opções para saber se elas também reembolsam... acredito que sim. De qualquer forma, deu pra perceber que trata-se de um simples algoritmo de fidelidade para o cliente. A Uber não se sobrecarrega prestando atendimento por fone ou e-mail para alguém que quiser reembolso... pelo contrário, o usurário basta acessar o sistema e pedir, sendo reembolsado imediatamente e automaticamente. Para aqueles que não forem atrás do reembolso (seguramente, a grande maioria)... ótimo pra Uber ;p

Esse é o post inaugural da tag "pãodurisses". Em breve vou compartilhar outros paranauês! rs

Abraço,
PD7

segunda-feira, 20 de março de 2017

Mas você só faz estudar?

Semana passada foi bem difícil pra mim. Tive uns perrengues na minha pós-graduação (autoritarismo de um professor, desorganização do coordenador... aliás, nada de novo nas universidades, né?), e minha qualidade de vida foi péssima. Dormi mal, me alimentei nas horas erradas, fiquei ansioso, não pratiquei esporte ou exercícios... tudo errado.

Para completar, teve uma situação familiar que me entristeceu bastante.

Como eu estava no meio de um furacão de problemas, decidi dar uma parada e fui visitar minha sobrinha adolescente (que nunca mais vai ganhar presente do tio)... ela é uma aluna mediana do ensino fundamental, e ainda tem a mentalidade muito infantil pra a idade dela (quando eu tinha a mesma idade, lia bem mais, era mais "antenado", etc.)... somos muito apegados, conversamos e brincamos bastante, como uma família normal...

Eu havia chegado na casa dela bastante cansado e abatido... e minhas brincadeiras de tio não conseguiram esconder meu verdadeiro estado. Ela já me viu inúmeras vezes descabelado e afogado numa pilha de livros. Enquanto conversávamos, talvez inocentemente,  ela mandou aquela pergunta que ninguém gosta de ouvir: mas você só faz estudar? 



PD7 sem forças pra explicar a situação.


Eu até pensei em responder, mas... dei aquele suspiro cansado e fui tomar meu café.

O que era pra ser um momento de descontração, acabou sendo um tapa na cara e uma reflexão sobre meu momento atual. Como comentei em algum post, a crise afetou bastante o meu setor... e perdi o emprego no fim do ano passado, após +/- 5 anos de casa. Foi na iniciativa privada que construí a minha carteira, e que tive várias experiências de crescimento pessoal, como trabalhar fora do país... mas quando senti que o barco estava afundando, tratei de entrar numa pós-graduação e comecei a engatinhar no mundo dos concursos... pois acredito que momentos de crise são também momentos de qualificação e superação.

Atualmente eu divido meu tempo de estudo em 80/20 para a pós-graduação/concursos... mas a minha instabilidade financeira e as dificuldades da pós (sendo o ego, a vaidade e o autoritarismo dos professores fatores mais desanimadores do que a dificuldade técnica) me motivam a inverter o jogo, isto é, me dedicar 20/80 para a pós-graduação/concursos. Ou, quem sabe, abandonar a pós... não sei.

Há rumores de vários certames que devem sair no final do ano - como a PRF, RFB, ABIN, BACEN, etc. Alguns desses órgãos já estão com orçamento aprovado pelo MPOG, seguindo em estágio de definição de bancas e tudo mais... hoje eu me sinto dividido entre esses dois caminhos (pós e concursos)... e gostaria de ter mais clareza sobre como me posicionar melhor a respeito.

Alguém aí já passou por essa situação?
Vi que vários colegas aqui na blogosfera são funcionários públicos... quando vcs decidiram se dedicar exclusivamente ao estudo pra concursos?
Poderiam compartilhar, ainda que no modo anônimo, a história de vcs?

Pra finalizar, é muito triste que as pessoas que estudam (seja pra concurso, seja pra pós, seja para o que for)... sejam vistas com demérito pela população em geral.
Que país é esse?

Abração,
PD7

domingo, 12 de março de 2017

Sobre a gratidão

Essa semana eu estava indo para um lugar perto de casa, e decidi ser pão duro e economizar com uber pegar um ônibus... na parada, havia apenas um senhor de seus sessenta e poucos anos. Era noite, não me sentia inseguro embora devesse, e o fato desse senhor estar ali sozinho me sensibilizou.

Notei que ele ajeitava seus óculos, lutando contra sua pouca a visão, tentando enxergar os ônibus que estavam vindo desenfreadamente. Ele me pediu que o ajudasse, avisando quando eu visse a linha X... naturalmente, fui prestativo e puxei algum assunto pra fazer companhia.

De mochila nas costas, ele me disse que estava voltando do trabalho. Era aposentado, mas não conseguia viver com apenas o salário mínimo que recebia... tinha que fazer um trabalho extra numa praça ali perto.

Fiquei me perguntando quantas pessoas dependiam financeiramente dele... e que tipo de trabalho extra ele ainda fazia (com aquela idade, coitado). Não tive coragem de perguntar. Na nossa breve conversa, ele me advertiu sorrindo, experiente, que a minha situação futura deveria ser pior, afinal, agora estão dificultando as leis para a aposentadoria... eu vou ter que trabalhar mais e me aposentar mais tarde. Se prepare, meu filho... dizia o senhor com ar cansado e a pele marcada pela idade. Um legítimo trabalhador brasileiro, ajeitando seu bonezinho e tentando enxergar as placas luminosas dos ônibus que vinham na nossa direção.

Lamentei bastante por tudo aquilo.

Seja pelo tempo, seja pela segurança, eu já estava convencido que era melhor deixar de ser pão duro e ir de uber, mas eu não poderia deixar aquele senhor ali sozinho. Pensei inclusive em deixá-lo em casa, mas eu não tinha a menor idéia de onde ficava o bairro que ele estava indo. Então, no mínimo, eu iria esperar que o ônibus dele chegasse.

Conversamos mais um pouco, trocando experiências, até que seu ônibus finalmente chegou. Nos despedimos rapidamente, e o ônibus arrancou pela avenida. Entrei numa conveniência ali do lado, por segurança, e chamei um uber.

Estou solteiro, não tenho filhos... e fiquei pensando que a aposentadoria dele não pagaria sequer as minhas despesas com moradia... sem contabilizar a alimentação e todas as outras coisas. Muito punk. Me senti meio mal. Mas me senti também muito grato pelas oportunidades que tive, pelas coisas que lutei e conquistei. Percebi que, em geral, não valorizamos o que temos... aquilo que está ali todo mês. Parece que nossas coisas estão simplesmente onde deveriam estar. Estranho, né? Ao mesmo tempo, nos irritamos facilmente quando algo pequeno não corre como o esperado... quando não fica exatamente como queremos ou gostamos. Não possuir coisas supérfluas parece ser o fim do mundo.

"Existem pessoas que adorariam ter os seus dias ruins".

Sou mais um na blogosfera de finanças, e estou na corrida para a IF... mas não quero desaprender a viver em comunidade, ser parte do todo, sentir as dores do outro e estender a mão.

Sou bastante observador e um ávido colecionador de causos... conhecer aquele senhor valeu a minha noite. Me ajudou a ser mais grato, enxergar e valorizar mais as coisas que tenho.

sábado, 4 de março de 2017

Resultado 02/17: R$ 397k

Fala galera!

Infelizmente, não consegui romper a barreira dos R$ 400k :(

Eu tentando pegar os 400k

Continuo na minha dolorosa fase sem aportes... tenho que ser muito paciente e controlado, especialmente no cenário de tendência de queda da SELIC... mas estou ralando para obter um trabalho estável e aportes regulares. Meu dia vai chegar, se Deus quiser!

Vamos aos números:


Comentários:

  • RF: Atingi a minha menor quantidade em RF da minha vida: 65%! Em função da redução da SELIC, diminuí consideravelmente a minha reserva de emergência (um LCA 84% com liquidez diária)... para a aplicação em um título mais rentável, sem liquidez. Recebi um LCI e redirecionei esse capital para fundos de investimento. Tomei o cuidado de usar a calculadora do BC para conferir se os últimos títulos recebidos estavam com os valores corretos, e estava tudo redondinho! Recomendo que todos façam o mesmo ao receber um título de RF, just in case.
  • FI: Escolhi dois fundos multimercado com baixa volatilidade e um bom índice de meses positivos. Ano passado fiz um teste com fundos, aplicando R$ 50k em um único fundo multimercado... apesar de ficar meses, o fundo não decolou. Agora resolvi tentar novamente, dividindo o capital em dois fundos de administradores diferentes. Vamos ver!
  • Ações: Entrei em ações muito cauteloso, por volta de Agosto/Setembro... levei os sustos de iniciante, mas com o tempo fui me acostumando com a flutuação de mercado e fui me sentindo um pouco mais confiante (embora indubitavelmente continue sendo iniciante), e fiz novos aportes. Agora em 2017, quase dobrei meu número de cotas... e apesar do IBOV ter caído em Fevereiro, mantive rentabilidades acima do índice, o que é animador para a minha condição de iniciante! :)
  • TD: Sem movimentações. Aguardando taxas atrativas, o que pode demorar bastante :( Saudade do TD Pré maior que 13%.
  • CC: Fechei o mês passado com um número absurdo na CC (18,51% da carteira), e lamentavelmente ainda continuo com um número expressivo neste mês (10,78%). Passei algumas situações que precisei de liquidez desse valor considerável, mas acredito que já posso reinvestir. Acho que isso foi um dos motivos de não ter cruzado os R$ 400k.
E seguem as despesas:


Comentários
  • Composição de custos: Estou contente ao ver a diminuição dos custos de moradia e alimentação... apesar de estar morando e me alimentando com mais qualidade. Acredito que esses números irão melhorar ainda mais nos próximos meses.
  • Histórico do cartão de crédito: Atingi o mesmo valor de Fevereiro/2016, o que foi muito positivo. Este valor está abaixo da média de 2016 (linha azul pontilhada). Estou trabalhando no meu orçamento para trazer a média de 2017 (linha amarela pontilhada) para um valor igual ou menor que a média de 2016. Tenho que desenvolver novas pãodurisses!
  • Detalhamento - alimentação: Em função de estar comendo mais em casa, o número de refeições na rua diminuiu em Fevereiro. Acredito que continue diminuindo.
Fiquei um pouco triste de não ter cruzado a barreira dos R$ 400k, mas isso está coerente com a minha situação atual. Espero conseguir cruzar próximo mês. Vamo que vamo!

Abraço!
PD7

quarta-feira, 1 de março de 2017

Corretora Rico aumenta o custo de corretagem na Bovespa

Fala galera,

Notícias de aumento de custos raramente são bem vindas, especialmente quando o aumento é significativo e não é apresentada nenhuma justificativa... poisé, se vc também opera em ações com a corretora Rico, deve estar surpreso (e decepcionado) com o e-mail recebido hoje de noite:


Considerando que atualmente a taxa de corretagem para o lote padrão de posição em ações custa R$ 9,80, o aumento para R$ 16,20 representa 65,30%... um número muito expressivo. Surpreendentemente, não houve nenhuma melhoria ou modernização da plataforma, e não foi anunciado nada que justificasse uma correção desse tamanho. Fiquei muito decepcionado com esse anúncio.

Esse mês queria deixar a carteira em "stand by", mas vou ter que gastar um tempo estudando como transferir as minhas ações para uma corretora mais econômica e mais coerente com o serviço.

Mais alguém está na mesma situação?
Qual corretora vcs operam com ações?

Abraço!

obs: até sexta eu publico o fechamento de Fevereiro! :)

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Idéias revolucionárias aleatórias

Fala galera!

Em dezembro, um amigo me convidou pra participar de um evento da empresa dele. Ele me falou que iria ser uma espécie de oficina de criatividade aplicada à negócios... algo assim. Seria um lance bem pequeno, com 12 pessoas, sendo 6 funcionários (incluindo o fundador/CEO) e 6 convidados (eu fui um deles). Achei muito interessante e obviamente aceitei o convite.


A empresa onde ele trabalha é de negócios digitais. Existe venda pelo site, mas o "tchan" está nos aplicativos. O evento foi muito, mas muito produtivo... sem dúvidas, excedeu as minhas expectativas mais ambiciosas. A agência que organizou foi impecável, tanto a nível de produção do evento (local, organização, comida, serviços, etc.), como especialmente em nível técnico.

Por sorte, em algumas dinâmicas, eu fiz dupla com o CEO... claro que eu aproveitei pra criar um networking, e fazer algumas perguntas. Me impressionou que isso começou "por uma brincadeira", mas chegou ao ponto dele abandonar a carreira anterior e viver "apenas" desse negócio (e viver muito bem, por sinal rsrsrsrs).

Através de várias dinâmicas, cruzamento de idéias, provocações... conseguimos desenhar estratégias, identificar pontos fracos, propor melhorias, correlacionar alguns fatores, otimizar a interface, solucionar problemas... o que deverá aumentar o número de clientes e obviamente aumentar os lucros. Enfim, o evento foi muito bom. Inquestionavelmente, o negócio vai bem... e vai melhorar após as ações que foram desenhadas ali. Após o evento, comemos e bebemos bastante em um lugar muito bacana da cidade... até onde fiquei, eu arriscaria dizer que a conta estava na faixa de uns 4 ou 5 mil reais - absolutamente nada perto dos benefícios que irão alcançar em função do evento.

Naturalmente, depois dessa experiência, eu fiquei pensando e buscando minha própria "brincadeira"... e acho que encontrei uma idéia legal. Já pesquisei, e de fato minha idéia é pouco explorada no Brasil... estaria disposto a investir um pouco e ver no que dá.

Alguém sabe como criar/proteger um aplicativo?
Poderiam indicar empresas que fazem esse serviço de criação de app?
Alguém já tentou um negócio digital?

Abraços!

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Dilemas na divisão de conta de restaurante... até quando?

Fala galera!

Gostaria de compartilhar uma situação que aconteceu comigo essa semana. Um amigo me chamou pra ir na pizzaria... jantar, botar o papo em dia e tudo mais (sempre saímos pra conversar bastante... inclusive sobre dinheiro, pois temos confiança um no outro).

Ele perguntou se eu me importaria dele convidar a nova namorada dele... e claro que eu não me importaria. Seria um prazer conhecê-la! Pena que eu não previ o futuro rsrs :)

A pizzaria ficava numa zona mais "chiquezinha" da cidade... fiquei contente de reencontrar meu amigo, e de conhecer a nova namorada dele - que era linda e muito agradável. Meu amigo estava sendo mais educado que o costume (puxando cadeira, abrindo porta), e eu até estranhei rsrsrs. Pegamos uma mesa, conversamos e comemos bem.

Cabe dizer que todos comeram o mesmo número de fatias, e cada um bebeu um refrigerante. Pode parecer mesquinho, eu sei... mas estou comentando isso, pois algumas mulheres comem menos do que os homens, mas isso não aconteceu.

Vocês já estão imaginando que o motivo de escrever esse post veio na hora da conta, né? Isso mesmo.


Quando chegou a conta, meu amigo tomou a frente e pediu a máquina de cartão... e disse "divide pra dois". Por um rápido momento, eu cheguei a pensar que eles iam pagar pra mim... rsrsrsrs e absolutamente eu não queria isso, apesar dele ter me convidado pra sair e querer apresentar sua nova namorada. Por outro lado, eu também não queria pagar pra ela... é complicado. Mas é claro que acabei pagando.

Sim, eu sou pão duro, mas também quero deixar claro que frequentemente pago refeições para pessoas... seja convidar um amigo com menos condições financeiras pra sair, seja pagar jantar pra um aniversariante, seja para uma paquera, seja para visitas (aliás, Novembro/Dezembro eu gastei muito exatamente por ter recebido algumas visitas em casa... e paguei algumas refeições)... e família, é claro.

Sinceramente, sobre esse jantar, eu não sei até onde foram "bons modos com as mulheres" ou "esperteza" desse meu amigo. Não sei mesmo. E também quero deixar claro que não quero que ninguém pague pra mim.

Apenas acho coerente que cada um pague sua parte. Ou, no caso de pagar pra alguém (no caso, a namorada do meu amigo), ele poderia ao menos ter me perguntado se eu me importaria de pagar...

O que vcs acham?